Novo Nordisk® Bem-vindos à Novo Nordisk | Líder mundial no tratamento do diabetes Bem-vindos à Novo Nordisk | Líder mundial no tratamento do diabetes
Aumentar Fonte Diminuir Fonte
Busca
 Busca
Envie para um amigoPrint

Sobre Distúrbios do Crescimento


Nesta seção do nosso site, você encontra diversas informações sobre Distúrbios do Crescimento:


Distúrbio do Crescimento

O Hormônio do Crescimento (GH) é uma substância produzida por uma glândula no cérebro denominada hipófise (também chamada de pituitária). Este hormônio promove o crescimento durante a infância e continua tendo um papel importante no metabolismo durante a vida adulta.

O GH é secretado durante toda a vida de uma pessoa, e sua atuação mais conhecida está na promoção do crescimento. Além da altura, entretanto, o GH afeta muitos sistemas no organismo, incluindo metabolismo de gorduras e proteínas e metabolismo ósseo. O GH, por esta razão, é prescrito não somente para crianças, mas também para adultos com deficiência de GH.

Para que se utiliza o Hormônio do Crescimento?

Indicações em Crianças

  • Falta de GH (deficiência de GH)
  • Síndrome de Turner
  • Doenças Renais Crônicas
  • Crianças nascidas pequenas para a idade gestacional (PIG)

Indicações em Adultos

  • Deficiência de GH (DGH)

Deficiência de GH (DGH) em crianças

Deficiência de hormônio do crescimento é uma condição em que o organismo da criança falha na produção da quantidade adequada de hormônio do crescimento, causando um atraso do crescimento.

A DGH pode estar presente no nascimento, ou pode aparecer em qualquer fase da infância ou idade adulta. É geralmente causada pela falha da glândula hipófise na produção dos níveis adequados de hormônio do crescimento.

Tais deficiências podem ocorrer, por vezes, como consequência de alguns tipos de tratamentos médicos, como radioterapia ou cirurgia cerebral, ou devido à uma condição preexistente, como um tumor cerebral ou Síndrome de Silver Russell. Algumas vezes podem ser o resultado de um defeito hereditário. Entretanto, para a maioria dos pacientes, a razão para a falta de hormônio GH é desconhecida.

Classificação da Deficiência de Hormônio do Crescimento

A deficiência de Hormônio do Crescimento (DGH) pode se manifestar em graus variados e ter muitas causas diferentes. Por ocasião do diagnóstico, o médico fará perguntas sobre a história médica do paciente, realizará um exame físico e solicitará exames laboratoriais e de imagem, a fim de obter o máximo de informação possível sobre a condição.

HIPÓFISE

Os médicos utilizam os seguintes critérios para classificar Deficiência de Hormônio do Crescimento (GHD):

  • Idade por ocasião do diagnóstico
  • Tipo de deficiência
  • Grau de deficiência
  • Local da deficiência
  • Causa da deficiência

Idade por ocasião do diagnóstico

  1. Início na infância
  2. Início no adulto

Esta classificação é feita levando-se em conta se o paciente havia parado ou não seu crescimento por ocasião do diagnóstico (geralmente as pessoas param de crescer ao redor dos 19 anos).

Tipo de deficiência

  1. Isolada
  2. Múltipla (deficiência de mais de dois hormônios produzidos na hipófise

O tipo de deficiência (isolada ou múltipla) dependerá se o paciente tem deficiência também de outros homônios hipofisários, além da DGH. O hormônio do crescimento é produzido pela glândula hipófise. Esta secreta vários hormônios diferentes, que também são essenciais para manter as funções normais do organismo.

Grau de deficiência

  1. DGH parcial
  2. GHD grave

 

Local da deficiência

  1. Primária - origem hipofisária
  2. Secundária - origem hipotalâmica

Conforme descrito acima, a hipófise secreta o hormônio do crescimento. Entretanto, uma parte do cérebro conhecida como hipotálamo regula a secreção do hormônio do crescimento pela hipófise. Deste modo, a deficiência de hormônio do crescimento pode ter origem na hipófise ou no hipotálamo.

Causa da deficiência

  • Idiopática (nenhuma causa específica pode ser identificada)
  • Tumor hipofisário (geralmente tumores benignos)
  • Resultante de tratamento de um tumor (cirurgia ou radiação)
  • Lesão acidental
  • Outras

Síndrome de Turner

Síndrome de Turner é uma condição que afeta apenas meninas, e é um distúrbio cromossômico. Pode ser monossomia completa ou parcial do cromossomo X e as duas características mais constantes são baixa estatura de início pós-natal e adigenesia (alteração no aparelho de reprodução).

A causa da baixa estatura na Síndrome de Turner é em grande parte explicada por uma alteração no gene SHOX do cromossomo sexual. Toda menina com baixa estatura e/ou com atraso puberal deve realizar o exame cariótipo. O diagnóstico pode ser feito em qualquer idade; cerca de 30% das crianças são diagnosticadas ao nascimento e outras 25,5% durante a período médio da infância. Para muitas meninas portadoras de Síndrome de Turner, entretanto, o diagnóstico pode ser feito somente na adolescência.

O que significa ter Síndrome de Turner?

As meninas portadoras de Síndrome de Turner podem apresentar as seguintes características:

Altura

Uma estatura reduzida frequentemente representa o maior obstáculo para uma menina com Síndrome de Turner. Ao nascimento, estas meninas geralmente têm um comprimento normal. Durante os primeiros anos de suas vidas, elas crescem quase tão rápido quanto a níveis considerados padrão na altura se torna mais aparente. A diferença é particularmente notável quando as outras meninas estão entrando na puberdade e apresentando rápidos aumentos de estatura, o que não ocorre com as meninas com Turner. Geralmente, as mulheres com Turner que não estão recebendo tratamento são, em média, 20 cm mais baixas que outras mulheres. Nos últimos anos, as meninas com Turner estão sendo tratadas com hormônio do crescimento e os resultados provisórios sugerem que a estatura final possa ser aumentada de 5 a 10 cm.

Desenvolvimento Puberal e Menstruação

Na maioria das meninas com Turner, os ovários não se desenvolvem como deveriam. Por este motivo, também há uma ausência dos hormônios sexuais femininos, importantes para o desenvolvimento das características sexuais secundárias(pêlos pubianos, desenvolvimento das mamas etc.). Consequentemente, muitas meninas com Turner podem ter desenvolvimento incompleto das características sexuais secundárias. A maioria não menstrua e apenas pode ter filhos em raros casos.

Características Físicas

As meninas com Turner podem apresentar traços físicos que são característicos desta condição, como o pescoço com um septo lateral. Esta é uma pequena dobra de pele de cada lado do pescoço dando a impressão que o pescoço é curto.

Ao nascimento, entre um terço e metade das meninas com Turner apresentará inchaços com aspecto de um coxim no dorso das mãos e pés. Isto normalmente desaparece após um certo tempo, podendo reaparecer durante a puberdade.

 

Outras características que podem estar presentes:

Baixa implantação de cabelo

Problemas Físicos

- As pesquisas têm mostrado que uma pequena porcentagem de meninas com Turner tem alguma forma de anormalidade cardíaca. A maioria destas anormalidades, felizmente, é relativamente insignificante. É importante que as meninas com Turner façam um exame do coração (por meio de mapeamento cardíaco especial) precocemente.

- Podem também ocorrer problemas de ouvido com uma tendência para frequentes infecções no ouvido médio. Com o passar do tempo, algumas mulheres podem apresentar um comprometimento da audição.

- As meninas com Turner também podem ter pequenas anormalidades renais. Entretanto, elas geralmente não afetam o funcionamento dos rins.

Doenças renais crônicas

Os rins são responsáveis pela excreção de urina na concentração correta. Isto significa que um rim funcionando normalmente excreta a água em excesso e impurezas, enquanto retém sais e outros compostos necessários ao organismo. As crianças com doença crônica do rim (renal) podem ser divididas em três grupos, dependendo da função renal que têm:

- Disfunção renal crônica - função renal menor que 50%

- Insuficiência renal crônica - função renal menor que 25%

- Doença renal em fase terminal - função renal menor que 5% (pacientes em diálise).

Cerca de 6 crianças em cada um milhão da população total sofrem de doença renal crônica. Aproximadamente um terço das crianças com doença renal crônica têm crescimento anormal, em parte devido ao fato de as doenças renais perturbarem o metabolismo do hormônio do crescimento (GH). Os hormônios corticosteróides, que são frequentemente utilizados para tratar a doença renal, podem também retardar o crescimento.

Falta de Hormônio do Crescimento em adultos (GHDA)

O hormônio do crescimento continua a desempenhar um importante papel na fase adulta, regulando o metabolismo ósseo, de gorduras, composição do corpo, e atuando na qualidade de vida das pessoas.

GHDA pode aparecer a qualquer momento e pode ser resultado de um tumor na região da hipófise, tratamento de tumor cerebral ou câncer, ferimento grave na cabeça, entre outros.

Tratamento

O tratamento das condições associadas à deficiência de GH é realizado com a reposição do próprio hormônio. Como o tratamento é farmacológico, somente deve ser indicado e acompanhado pelo seu médico.