Em busca da cura para o diabetes tipo 1

Vinte anos após Jacob Sten Petersen iniciar a sua carreira em pesquisas sobre o diabetes, sua filha Vita foi diagnosticada com diabetes tipo 1. Aqui, ele reflete sobre a sua motivação pessoal para alcançar a cura do diabetes tipo 1 e também sobre o progresso das pesquisas da Novo Nordisk com células-tronco.


Adam Pittard Por  Adam Pittard   |  Publicado em Agosto de 2018


 

Ao longo de mais de duas décadas, Jacob Sten Petersen pesquisou diversas doenças crônicas, contribuindo para a aprovação de cinco medicamentos durante o processo. Mas era a necessidade não atendida de pessoas com diabetes tipo 1, a forma menos comum da doença, que mais impressionava o bioquímico e Doutor em Ciências Médicas que hoje supervisiona a área de pesquisas em diabetes dentro da Novo Nordisk.

"Particularmente, o que sempre me motivou foi o simples fato de que pessoas com diabetes tipo 1 não têm descanso dessa doença", explica Jacob. "É claro que isso não significa que seja fácil conviver com outras doenças crônicas, mas para essas pessoas, e principalmente para crianças, a dependência por insulinoterapia e o gerenciamento constante da doença são pesos que sempre quis diminuir".


Lidando com o diagnóstico

Mal sabia Jacob, mas o destino o faria sentir esse peso que por tanto tempo fora a sua principal fonte de motivação. 

"Os sintomas de Vita foram tão silenciosos e inesperados que apesar do meu treinamento médico e da minha linha de trabalho, não passou na minha cabeça de forma imediata, que ela pudesse ter diabetes," lembra Jacob. "Mas o momento que eu testei pela primeira vez a glicose em seu sangue nunca será esquecido. Eu sabia que ali por diante a vida de Vita se tornaria mais desafiadora. Era de fato uma mudança em sua vida". 


Aprendizados diários e propósitos renovados

O diagnóstico de Vita impactou não apenas Jacob, mas toda a sua família, que tiveram que lidar com toda a parte emocional que acompanha o diagnóstico da doença e, assim, reajustar suas rotinas para acomodar o controle do diabetes de Vita. Mas com o tempo eles se adaptaram à sua nova realidade e Jacob trocou as suas perspectivas negativas por positivas.

"Eu percebi que ajudar Vita a viver com diabetes era um aprendizado diário para mim sobre o que as pessoas com essa doença realmente necessitavam," reflete Jacob. "Meu trabalho sempre foi importante, mas ele assumiu um significado totalmente novo. O diagnóstico de Vita trouxe mais perspectiva e eu fiquei muito agradecido pelas minhas habilidades e pelo fato de que quando vou trabalhar, eu posso lutar por um futuro melhor para ela e para pessoas com essa condição."

O futuro que Jacob espera inclui a cura para o diabetes tipo 1 - algo que ele e seus colegas de trabalho buscam através dos estudos com células-tronco desde 1998. Duas décadas de pesquisa e uma parceria com a Universidade de Cornell levaram toda a equipe a um estágio em que demonstraram "provas de conceito" - cura de roedores com diabetes usando células-tronco encapsuladas produtoras de insulina.

"Estou encantado que nossos esforços finalmente estejam começando a dar frutos", diz Jacob. "Ainda há muito trabalho a ser feito, mas esperamos poder iniciar o primeiro ensaio clínico em humanos dentro de alguns anos."

Assim como no desenvolvimento de qualquer novo tratamento, os obstáculos e problemas vão surgindo, e não há garantias de um resultado positivo. No entanto, Jacob é esperançoso e imagina uma vida para Vita na qual ela estará totalmente livre do diabetes.